portugues ingles frances espanhol alemao
Apoio ao Cliente
9H-13H e 14H-18H

21 247 65 00

Faça Login ou
adira ao Portal Líder

Log In | Novo registo
Bem-vindo/a, Visitante
voltar

O sector da construção vai arrancar. Edifícios licenciados aumentam 12%

2016-09-14

Dados do INE do segundo trimestre revelam que foram licenciados 4,2 mil edifícios para construção em Portugal, correspondendo a um acréscimo de 12% em termos homólogos. Já os edifícios construídos diminuíram 10,7% (-13,8% no 1º trimestre de 2016) totalizando 2,5 mil edifícios.

O sector da construção vai arrancar. É pelo menos o que se conclui dos dados dos novos licenciamentos para construção que subiram, ao passo que os edifícios construídos no segundo trimestre caíram. Mas o INE realça que os sinais de retoma que se vêm verificando no licenciamento de obras continuam a ser pouco evidentes na conclusão de obras.

No 2º trimestre de 2016 os edifícios licenciados para construção aumentaram 12% face ao período homólogo (-4,3% no 1º trimestre de 2016), correspondendo a 4,2 mil edifícios.

Nos edifícios licenciados para construções novas observou-se um acréscimo de 12,2% (+2,8% no 1º trimestre de 2016) enquanto no licenciamento para reabilitação se registou um acréscimo de 10,6% (-11,3% no 1º trimestre de 2016).



Do total de edifícios licenciados, 65,2% corresponderam a construções novas e, destas, 69,8% destinaram-se a habitação familiar.

Todas as regiões registaram variações homólogas positivas nos edifícios licenciados, com destaque para a Região Autónoma da Madeira (+60,0%) e para a Área Metropolitana de Lisboa (+46,4%).
As obras licenciadas para construções novas em Portugal cresceram 12,2% face ao 2º trimestre de 2015, enquanto as obras de reabilitação cresceram 10,6%. Relativamente ao trimestre anterior, o licenciamento para construções novas aumentou 9,7% e as obras de reabilitação cresceram 6,8%.

Todas as regiões apresentaram variações homólogas positivas no licenciamento para construções novas, destacando-se a Área Metropolitana de Lisboa e o Algarve com +69,8% e +47,2%, respectivamente.

No que respeita ao licenciamento para reabilitação de edifícios, a Região Autónoma da Madeira apresentou a variação homóloga positiva mais acentuada (+138,5%), enquanto na Região Autónoma dos Açores se registou a maior redução (-22,6%).

Face ao 2º trimestre de 2015, os fogos licenciados em construções novas para habitação familiar aumentaram 59,8%, correspondendo a mais 38,2 p.p. face à variação registada no trimestre anterior (+21,7%). Todas as regiões apresentaram variações homólogas positivas nesta variável, sendo de destacar as regiões do Algarve (+245,2%), a Região Autónoma da Madeira (+195,5%) e a Área Metropolitana de Lisboa (+182,6%).

Na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve essa variação resultou fundamentalmente do licenciamento de novos edifícios de apartamentos, com um número elevado de pisos e de fogos.

Em Portugal, no 2º trimestre de 2016, observou-se em termos homólogos um acréscimo de 26,2% na área total licenciada. A Região Autónoma da Madeira e a Área Metropolitana de Lisboa registaram as variações mais elevadas nesta variável: 234,1% e 86,3%, respectivamente, sendo também duas das regiões onde se verificou o aumento mais
acentuado no número de fogos licenciados. A Região do Alentejo foi a única com decréscimo nesta variável: -6,9%.

Edifícios concluídos caem

Em termos de obras concluídas verifica-se que caíram. Os edifícios concluídos diminuíram 10,7% (-13,8% no 1º trimestre de 2016) totalizando 2,5 mil edifícios.

Comparativamente com o trimestre anterior, o número de edifícios licenciados cresceu 9,7% (+1,0% no 1º trimestre de 2016) e os edifícios concluídos diminuíram 1,4% (-4,6% no 1º trimestre de 2016).

Nos 2,5 mil edifícios concluídos em Portugal, a sua maioria refere-se a construções novas (68,0%), das quais 62,7% tiveram como destino a habitação familiar.

As Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores registaram um aumento no número de edifícios concluídos: +17,1% e +12,0%, respectivamente. Todas as restantes regiões verificaram um decréscimo nesta variável, com destaque para a Área Metropolitana de Lisboa (-25,9%).

As obras concluídas para construções novas em Portugal diminuíram 8,3% face ao 2º trimestre de 2015, e as obras de reabilitação decresceram 15,2%. Em comparação com o trimestre anterior, as obras concluídas para construções novas decresceram 0,9% e as obras de reabilitação diminuíram 2,4%.

As obras concluídas em construções novas apresentaram acréscimos na Região Autónoma da Madeira (+30,8%), no Algarve (+13,0%) e na Região Autónoma dos Açores (+11,1%).

As restantes regiões apresentaram variações homólogas negativas, com destaque para a Área Metropolitana de Lisboa (-22,3%).

A Região Autónoma dos Açores foi a única a apresentar uma variação homóloga positiva nas obras concluídas para reabilitação (+13,9%). As restantes regiões apresentaram reduções nesta variável, com destaque para a Área Metropolitana de Lisboa (-32,5%) e para o Algarve (-32,3%).

No 2º trimestre de 2016 o número de fogos concluídos em construções novas para habitação familiar diminuiu 16,9%, correspondendo a menos 1,1 p.p. face à variação homóloga registada no trimestre anterior (-15,8%). A Região Autónoma da Madeira (+45,5%) e o Centro (+3,6%) foram as únicas que apresentaram uma variação homóloga positiva.

No Alentejo a variação foi nula e as restantes regiões apresentaram variações negativas, com especial destaque para o Algarve (-68,8%).

Os sinais de retoma que se vêm verificando no licenciamento de obras continuam a ser pouco evidentes na conclusão de obras, de certa forma alinhado com o decréscimo que se foi sentindo nos últimos anos no licenciamento de obras, associado ao prazo médio de execução que, em 2015, foi de 21 meses (30 meses nos edifícios de apartamentos).

Do total de edifícios concluídos no 2º trimestre de 2016, 72,4% localizavam-se nas regiões Norte e Centro, correspondendo-lhes cerca de 73,3% do total de fogos concluídos. À região Norte correspondeu um peso de 39,9% dos edifícios e 40,9% dos fogos concluídos em todo o país. Na Área Metropolitana de Lisboa foram concluídos 6,9% do total de edifícios e 9,8% do total de fogos.

Fonte: http://economico.sapo.pt/noticias/construcao-edificios-licenciados-aumentam-12-e-obras-concluidas-descem-107_256788.html

IMI. Governo mantém preço por metro quadrado nos 615 euros
Elemento que tem impacto no cálculo do valor patrimonial tributário dos prédios urbanos não sofre alterações em 2020. O valor por metro quadrado (m2) para efeitos de

Licenciamentos de obras de construção e reabilitação a crescer no mercado residencial
O mercado residencial continua a dar sinais de dinamismo em Portugal, que se traduzem em maior oferta de produto, num momento em que profissionais do imobiliário reclamam falta

Construtoras trocam cimento por cânhamo para reduzir poluição
Os campos de cânhamo que brotam numa parte do Canadá mais conhecida pela sua gigante reserva de petróleo mostram como as mudanças climáticas têm transformado o setor da

Construção está muito focada no segmento de luxo
Habitações para classe média não chegam para satisfazer procura. Reabilitação fez subir os preços das rendas A seguir Rendas sobem 268€ desde 2012 e prestações da casa

Ministério do Mar aprova candidatura para construção de nova ponte-cais em Sesimbra
APSS prevê lançar concurso de empreitada em Julho. Nova ponte-cais vai permitir separar barcos de pesca das embarcações de recreio A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino,

Cidadãos ponderam travar construção de prédio da Portugália nos tribunais
A ausente, mas sempre presente na discussão, foi a Câmara de Lisboa, ainda que lá tenha estado o seu vice-presidente, que se manteve em silêncio. Projecto está em discussão