portugues ingles frances espanhol alemao
Apoio ao Cliente
9H-13H e 14H-18H

21 247 65 00

Faça Login ou
adira ao Portal Líder

Log In | Novo registo
Bem-vindo/a, Visitante
voltar

Ordem dos Arquitectos quer reabilitar as cidades

2016-07-20

14.º Congresso dos Arquitectos realiza-se entre esta quinta-feira e sábado em Viseu.
É em ano de eleições e num contexto de crise relativamente ao exercício da profissão e também de contestação à sua actuação que a Ordem dos Arquitectos (OA) promove entre esta quinta-feira e sábado, em Viseu, o 14.º Congresso dos Arquitectos portugueses.

O tema do encontro, que vai decorrer em vários locais da cidade, desde o Teatro Viriato ao Museu Grão Vasco, é Reabilitar Cidade com Arquitectura. Discutir o acesso e o exercício da profissão, a formação contínua, o papel social do arquitecto, e mais directamente o lugar da arquitectura no país, na Europa e no Mundo à luz da agenda comunitária Portugal2020 é o objectivo da ordem de trabalhos que vai estar sobre as mesas do congresso.

“A reabilitação das cidades não é uma preocupação exclusiva da Ordem dos Arquitectos, é a realidade com que todos nos confrontamos”, diz ao PÚBLICO Pedro Ravara, vice-presidente da OA, realçando a necessidade de se reivindicar “uma política estratégica para o património do Estado”. Neste sentido, o arquitecto e dirigente defende a importância de se exigir informação actualizada sobre a agenda comunitária para o sector, mas também a do Governo português, que Ravara considera estar hoje “mais interessado na reabilitação urbana do que os responsáveis em Bruxelas”.

“Talvez Portugal seja um caso único, por via das apostas do actual Governo, mas não sabemos ainda quais são os instrumentos que vão ser postos à disposição para esse efeito", refere o arquitecto.

Além de um plano de trabalhos distribuído por três painéis – intitulados Saber, Fazer, Acontecer –, os participantes no congresso vão poder também debater os temas enunciados na Declaração de Viseu 2016, elaborada no decorrer de um workshop introdutório realizado na semana passada em Lisboa, sob o lema Intervir no património moderno e contemporâneo.

A salvaguarda dos bens culturais e o avanço na reabilitação e conservação arquitectónica garantindo “princípios básicos de ordem ambiental, democrática, de justiça social e de partilha colectiva, consagrando o arquitecto como um agente central no processo de transformação do espaço construído”, faz parte do programa desta declaração, que será entregue aos participantes, bem como os relatórios dos cinco Roteiros pela Profissão, que a OA promoveu, desde Junho de 2014, em Tomar, Lagos, Matosinhos, Funchal e Estremoz, tendo a "qualidade de vida" como denominador comum.

“Gostaríamos de ter um congresso vivo e animado no debate”, disse, em declaração à Lusa, João Santa-Rita, presidente da OA, que justifica a escolha de Viseu para o congresso deste ano por se tratar de “uma cidade que tem vindo a desenvolver um conjunto de obras de arquitectura que merecem atenção”.

Quem acha que esta preocupação de descentralização – ainda que defensável como princípio – possa dificultar a participação no congresso é Magda Seifert, comissária da exposição Habitar Portugal 12-14, lançada no Porto no início do ano e agora a percorrer o país. “Não sei se será funcional obrigar as pessoas a estarem três dias fora de casa, e a participação costuma ser reduzida”, comenta a arquitecta radicada no Porto, que mesmo assim vai deslocar-se a Viseu. “Tenho curiosidade em saber quais os temas que a Ordem considera mais importantes, e como vai responder aos problemas da prática da profissão”, diz Magda Seifert, que aceita que “o tema da reabilitação é muito actual, dos mais debatidos dos últimos anos”, além de significar “um nicho de trabalho” relevante, tendo em vista a degradação do património edificado no país.

Fora de Viseu

Quem não vai deslocar-se de Lisboa a Viseu é Tiago Mota Saraiva, o arquitecto que recentemente lançou uma petição pública, intitulada “Fora da Ordem”, a criticar a actuação do organismo representativo dos arquitectos. “Não vou, porque acho que o congresso não é, actualmente, um espaço de discussão séria, como já foi em contextos históricos bem mais difíceis, inclusivamente antes do 25 de Abril [de 1974]”, diz.

O sócio-gerente do ateliermob contesta a formulação dos temas a debater em Viseu. "Dantes, falava-se da sustentabilidade, um jargão que resultou em nada; agora é a reabilitação urbana. A Ordem anda a papaguear os temas, mas tenho sérias dúvidas de que um congresso sobre um tema assim tão lato consiga fazer alguma coisa”, acha Tiago Mota Saraiva.

Fonte: https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/ordem-dos-arquitectos-quer-reabilitar-as-cidades-1738147

IMI. Governo mantém preço por metro quadrado nos 615 euros
Elemento que tem impacto no cálculo do valor patrimonial tributário dos prédios urbanos não sofre alterações em 2020. O valor por metro quadrado (m2) para efeitos de

Licenciamentos de obras de construção e reabilitação a crescer no mercado residencial
O mercado residencial continua a dar sinais de dinamismo em Portugal, que se traduzem em maior oferta de produto, num momento em que profissionais do imobiliário reclamam falta

Construtoras trocam cimento por cânhamo para reduzir poluição
Os campos de cânhamo que brotam numa parte do Canadá mais conhecida pela sua gigante reserva de petróleo mostram como as mudanças climáticas têm transformado o setor da

Construção está muito focada no segmento de luxo
Habitações para classe média não chegam para satisfazer procura. Reabilitação fez subir os preços das rendas A seguir Rendas sobem 268€ desde 2012 e prestações da casa

Ministério do Mar aprova candidatura para construção de nova ponte-cais em Sesimbra
APSS prevê lançar concurso de empreitada em Julho. Nova ponte-cais vai permitir separar barcos de pesca das embarcações de recreio A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino,

Cidadãos ponderam travar construção de prédio da Portugália nos tribunais
A ausente, mas sempre presente na discussão, foi a Câmara de Lisboa, ainda que lá tenha estado o seu vice-presidente, que se manteve em silêncio. Projecto está em discussão