portugues ingles frances espanhol alemao
Apoio ao Cliente
9H-13H e 14H-18H

21 247 65 00

Faça Login ou
adira ao Portal Líder

Log In | Novo registo
Bem-vindo/a, Visitante
voltar

Made in Portugal' em destaque na feira Maison & Objet em Paris

2017-01-29

Mais de uma centena de marcas portuguesas estarão presentes na feira Maison & Objet, de sexta a terça-feira, na região de Paris, numa altura em que os produtos "Made in Portugal" estão na moda, segundo vários representantes das empresas.

A feira, que decorre duas vezes por ano, vai juntar os profissionais dos setores da decoração, mobiliário, têxteis-lar e iluminação no parque de exposições de Paris-Nord Villepinte, sendo esperados mais de 80 mil visitantes e 3.200 marcas, de acordo com a página do evento na internet.

A Maison & Objet "faz parte do calendário já clássico, seguramente há uma década", da Associação Selectiva Moda, "o braço armado da internacionalização" da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), que vai apoiar dez empresas portuguesas, afirmou à Lusa Paulo Vaz, diretor-geral da ATP.

O responsável sublinhou que atualmente "o têxtil português em França e em todo o mundo tem uma imagem extremamente valorizada" que deixou de estar associada apenas à "competitividade com base no preço, para ser distinguido pelo seu valor", o que constitui "a grande mudança de paradigma que se operou nos últimos dez anos".

"Hoje o ‘Made in Portugal' tem realmente um valor acrescido. Os clientes internacionais procuram a etiqueta ‘Made in Portugal' porque é garantia de, simultaneamente, encontrarem não apenas produtos de alta qualidade, criativos e inovadores sob o ponto de vista tecnológico, mas também a garantia de que aquilo que se faz em Portugal respeita escrupulosamente as regras ambientais e sociais", descreveu Paulo Vaz.

A Associação Home from Portugal, que também reúne empresas de têxteis-lar, vai estrear-se na feira com duas marcas e com "um ‘stand’ informativo para promover a imagem dos têxteis-lar portugueses na sua totalidade".

"Os têxteis-lar portugueses têm uma imagem a nível mundial, e em França também, de produtos de muito boa qualidade, de empresas bem organizadas e cumpridoras", indicou Maria Alberta Canizes, diretora de relações internacionais da associação, precisando que França constitui o segundo mercado para as exportações do setor.

Já a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA) vai representar 70 empresas de mobiliário e "as expectativas são boas" porque "é uma feira plataforma internacional" para fazer negócios com clientes de outros países e "França é o primeiro mercado em termos de exportações", disse à Lusa Gualter Morgado, diretor executivo da associação.

"Há uns anos, escondia-se que o mobiliário era produzido em Portugal. Agora, é um fator de qualidade o facto de o mobiliário ter como origem Portugal. (…) Há uma preferência pelo mobiliário português que tem a ver com três fatores: a qualidade de produção e capacidade de customização do produto ao gosto do cliente, a relação qualidade preço e o facto de, em termos de prazo de entregas e quantidades, sermos muito flexíveis", explicou o responsável.

Pela primeira vez na feira, vai estar a marca de mobiliário Bessa, criada há menos de dois anos, e que vai apresentar "uma peça exclusiva para a Maison & Objet - a Eiffel center table - a ser desvendada na feira", com "uma alma verdadeiramente parisiense", adiantou à Lusa o designer João Bessa.

A marca explora o tema das "memórias apaixonantes", ou seja, a evocação de "sentimentos nostálgicos através do ‘design’" e as técnicas de produção artesanais portuguesas, nomeadamente a filigrana, em que "tudo é produzido de forma manual sem qualquer tipo de moldes ou replicações".

"Queremos trabalhar sempre com Portugal. Vender para fora mas produzir tudo em Portugal e, se pudermos, com técnicas tradicionais portuguesas. O conceito da marca gira em torno da produção artesanal, da recuperação das técnicas de artesanato que se perderam um bocado com a industrialização, porque as coisas começam a ser todas estandardizadas", descreveu o designer de 28 anos.

A Associação dos Industriais Portugueses de Iluminação (AIPI) vai, por sua vez, apoiar sete empresas do setor que "se afirmou internacionalmente há muitos anos" e que hoje é "muito bom a fabricar e na parte do ‘marketing’", indicou à Lusa Ricardo Sebastião, diretor executivo da associação.

"O mercado francês é o nosso principal mercado externo e representa cerca de um quarto das nossas exportações. É um mercado fulcral. A Maison & Objet, além do mercado francês, permite atingir outros mercados porque é uma feira que atrai muitos compradores de outros países", acrescentou Ricardo Sebastião.

Fonte: http://pt.fashionnetwork.com/news/-Made-in-Portugal-em-destaque-na-feira-Maison-Objet-em-Paris,782274.html#.WI5NtPmLTIU

IMI. Governo mantém preço por metro quadrado nos 615 euros
Elemento que tem impacto no cálculo do valor patrimonial tributário dos prédios urbanos não sofre alterações em 2020. O valor por metro quadrado (m2) para efeitos de

Licenciamentos de obras de construção e reabilitação a crescer no mercado residencial
O mercado residencial continua a dar sinais de dinamismo em Portugal, que se traduzem em maior oferta de produto, num momento em que profissionais do imobiliário reclamam falta

Construtoras trocam cimento por cânhamo para reduzir poluição
Os campos de cânhamo que brotam numa parte do Canadá mais conhecida pela sua gigante reserva de petróleo mostram como as mudanças climáticas têm transformado o setor da

Construção está muito focada no segmento de luxo
Habitações para classe média não chegam para satisfazer procura. Reabilitação fez subir os preços das rendas A seguir Rendas sobem 268€ desde 2012 e prestações da casa

Ministério do Mar aprova candidatura para construção de nova ponte-cais em Sesimbra
APSS prevê lançar concurso de empreitada em Julho. Nova ponte-cais vai permitir separar barcos de pesca das embarcações de recreio A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino,

Cidadãos ponderam travar construção de prédio da Portugália nos tribunais
A ausente, mas sempre presente na discussão, foi a Câmara de Lisboa, ainda que lá tenha estado o seu vice-presidente, que se manteve em silêncio. Projecto está em discussão