portugues ingles frances espanhol alemao
Apoio ao Cliente
9H-13H e 14H-18H

21 247 65 00

Faça Login ou
adira ao Portal Líder

Log In | Novo registo
Bem-vindo/a, Visitante
voltar

CML aprova construção de 267 casas de renda acessível – 116 são no Parque das Nações

2018-11-25

A Assembleia Municipal de Lisboa (AML) aprovou, no início de novembro, o lançamento de mais duas operações no quadro do Programa de Renda Acessível (PRA). Ao todo serão construídos 267 fogos de renda acessível, num total 443 novos fogos construídos, em Belém, no Lumiar, no Parque das Nações e na freguesia de São Vicente. Só no Parque das Nações devem “nascer” 116 casas com rendas acessíveis.

Em causa está a “Operação Renda Acessível Integrada”, que envolve imóveis municipais em Belém, no Lumiar e no Parque das Nações – está prevista a construção de 218 habitações destinadas a arrendamento acessível, num total de 372 habitações – e a “Operação Renda Acessível Vila Macieira”, na freguesia de S. Vicente – estima-se a construção de 49 fogos de arrendamento acessível, num total de 71 fogos.

“Este programa envolve a concessão de terrenos ou imóveis municipais para promoção de arrendamento acessível, com investimento privado, selecionado por concurso público. Os fogos destinados a arrendamento acessível terão obrigatoriamente rendas e regras de gestão fixadas pelo município, devendo os restantes contribuir para o financiamento das operações, cujos termos de referência e cadernos de encargos são fixados também pelo município”, lê-se no site da AML.

Como se pode ler na proposta da “Operação Renda Acessível Integrada”, a mesma é composta por três áreas de intervenção do PRA:

Na área de intervenção de Belém prevê-se a construção de 40 habitações, todas destinadas a arrendamento acessível, a construir no terreno sito na Rua Alvisse Cadamosto.
Na área de intervenção do Lumiar prevê-se a construção de 62 habitações, todas destinadas a arrendamento acessível, a construir no terreno sito na Rua Prof. Orlando Ribeiro, lote G2.
Na área de intervenção do Parque das Nações prevê-se a construção de 270 habitações, das quais 116 são destinadas a arrendamento acessível, a construir nos lotes A, B e C e no Terreno Livre sito na Rua Padre Joaquim Alves Correia.
No caso da “Operação Renda Acessível Vila Macieira” está prevista a construção de 49 fogos de arrendamento acessível, num total de 71 fogos, distribuídos em dois lotes: no Vale de Santo António, junto da Calçada dos Barbadinhos, e na continuidade da Rua General Justiniano Padrel, freguesia de São Vicente.

De referir que no âmbito do PRA está prevista a construção de habitações em 15 localizações da capital. O programa prevê que o arrendamento de um T0 possa custar até 300 euros por mês, de um T1 até 350 euros, de um T2 até 500 euros e de um T3 ou T4 até 600 euros.

Fonte: https://www.idealista.pt/news/imobiliario/habitacao/2018/11/21/37995-cml-aprova-construcao-de-267-casas-de-renda-acessivel-116-no-parque-das-nacoes

Construção está muito focada no segmento de luxo
Habitações para classe média não chegam para satisfazer procura. Reabilitação fez subir os preços das rendas A seguir Rendas sobem 268€ desde 2012 e prestações da casa

Ministério do Mar aprova candidatura para construção de nova ponte-cais em Sesimbra
APSS prevê lançar concurso de empreitada em Julho. Nova ponte-cais vai permitir separar barcos de pesca das embarcações de recreio A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino,

Cidadãos ponderam travar construção de prédio da Portugália nos tribunais
A ausente, mas sempre presente na discussão, foi a Câmara de Lisboa, ainda que lá tenha estado o seu vice-presidente, que se manteve em silêncio. Projecto está em discussão

Emprego da construção recupera
Número de trabalhadores na construção não era tão elevado desde 2013, revela a Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas (FEPICOP). A

Luanda é principal mercado externo da construção portuguesa
Angola continuou a ser o principal mercado externo do setor português da construção, responsável por 28% da faturação no estrangeiro em 2017, o equivalente a 1.415 milhões

Desinteresse dos jovens ameaça setor da construção no prazo de uma década
A construção civil, a restauração e o turismo vivem realidades diferentes em Portugal entre os jovens que querem trabalhar, com o primeiro setor a sofrer do desinteresse e os