portugues ingles frances espanhol alemao
Apoio ao Cliente
9H-13H e 14H-18H

212 476 500

Faça Login ou
adira ao Portal Líder

Log In | Novo registo
Bem-vindo/a, Visitante
voltar

Clandestinidade passou a ser o maior problema da construção

2017-11-19

Já não é a falta de obras e já não é a dificuldade no acesso ao crédito. Agora o principal problema com que se debate o sector da construção é a concorrência desleal e a forma como empresas e trabalhadores por conta própria estão no terreno a prestar serviços à margem do mercado e com total impunidade. São entidades que concorrem de forma clandestina com todos os que, estando devidamente constituídos e estruturados, são visíveis e são objecto de fiscalizações sucessivas, enquanto que os primeiros são desconhecidos das entidades fiscalizadoras.

E é por considerar que a regulação que fazem entidades oficiais como o IMPIC - Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção ou a fiscalização que deveria ser feita por todas as câmaras municipais são “manifestamente insuficientes” para combater a clandestinidade no sector da construção, que a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) criou, com o apoio dos fundos comunitários, uma marca que pretende que funcione como uma certificação de empresas e combata a clandestinidade no sector.
Ao PÚBLICO, o presidente da AICCOPN, Manuel Reis Campos, que é também o presidente da Confederação da Construção e do Imobiliário (CPCI), diz que a marca RU - IS (Reabilitação Urbana Inteligente e Sustentável) “tem tudo a ver com clandestinidade”. E avisa que só as empresas que a merecerem é que vão poder beneficiar das linhas de crédito que vão ser disponibilizadas através do programa Casa Eficiente, que deve arrancar no mercado no início do próximo ano. Trata-se de uma linha de 200 milhões de euros, financiada pelo BEI e que será distribuída pela banca comercial, num processo coordenado pela CPCI e que integra o pacote da Nova Geração de Políticas de Habitação” lançado pelo actual Governo. “Era o que mais faltava que andasse o Estado a financiar-se e a pedir empréstimos para permitir que empresas continuem a trabalhar à margem da lei”, avisa Reis Campos.

O combate à concorrência desleal, à sinistralidade laboral e à clandestinidade é assumida em todos os segmentos do sector, mas Reis Campos não escamoteia que a situação ganha maior relevância no segmento da reabilitação urbana - também porque uma grande parte das obras particulares não está sujeita ao crivo do licenciamento municipal. O sector da construção perdeu 37 mil empresas e 260 mil postos de trabalho no longo ciclo de crise que atravessou. As obras de maior dimensão continuam a escassear, a reabilitação urbana é, mais do que uma prioridade, uma oportunidade para o sector.

É difícil perceber a dimensão da informalidade, nas há alguns números que ajudam a enquadrá-la. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), o número total de empresas de construção era em 2015 de 75.626 e em 2016 de 75.705 empresas. Em 2015 o IMPIC deu alvará a 47 214 empresas, a 50.443 em 2016, e a 28 de Abril de 2017 eram 51.566 que possuíam este título habilitante, e obrigatório. Ou seja, 33% das empresas está no mercado sem o alvará obrigatório.

Há outros dados “desconcertantes”. Nos primeiros meses do ano o licenciamento de obras de reabilitação e demolição exibia um crescimento de apenas 1,4% em termos homólogos, enquanto que a construção nova cresceu mais de 20%. E, nas estatísticas de emprego, constata-se que o sector perdeu mais de 19 mil trabalhadores no último trimestre, quando tinha ganho 17 mil no trimestre anterior. “Mas alguém acredita nisto? Alguém acredita que a reabilitação só cresceu 1,4%? Ou que o sector perdeu gente?”, reclama o presidente da CPCI, para quem só a clandestinidade justifica números tão surpreendentes.

As empresas que pretendam aderir ao RU-IS terão de cumprir uma série de critérios legais e assinar um código de conduta que as responsabiliza em termos éticos. “Queremos cada vez mais empresas qualificadas com a marca RU-IS, mas também queremos que o mercado reconheça esse esforço e esse valor”, explica Reis Campos, acrescentando que a credibilidade das empresas e do sector não pode ser manchada pelas consequências que decorrem do trabalho clandestino.

A qualificação RU-IS será um mecanismo de diferenciação de empresas, que atesta elementos essenciais como a existência de alvará, seguro e serviços de segurança e saúde no trabalho. A marca foi criada em 2016, altura em que a AICCOPN apresentou uma candidatura ao Norte 2020. Agora, que os regulamentos estão fechados e a plataforma está criada, já está a receber pedidos de adesão das construtoras.

Fonte: https://www.publico.pt/2017/11/17/economia/noticia/clandestinidade-passou-a-ser-o-maior-problema-da-construcao-1792828

Produção na construção cresce pelo nono mês seguido
A taxa de crescimento registada em Setembro igualou a verificada em Agosto, que já tinha sido a mais elevada do ano. O índice que mede a evolução da produção na

Três projetos portugueses vencem prémio internacional
Um espaço comercial, um centro pastoral e um parque tecnológico portugueses venceram o prémio internacional de arquitetura "The American Architecture Prize

Empresas de construção do Minho podem ter papel importante no México
Portugal tem merecido uma atenção acrescida por parte dos investidores mexicanos. As políticas anti-México de Donald Trump vêm abrir novas oportunidades de negócio com

Crise angolana não abala interesse português na construção
Feira Projekta Angola está de regresso a Luanda de 26 a 29 de outubro A seguir Inflação em Angola deverá subir para quase 23% em 2017 Mais vistas EMOJIS É mesmo isso que quer

DST constrói empreendimento com 50 apartamentos de luxo nas Amoreiras
O Amoreiras Vista terá 50 apartamentos, com tipologias T1 a T6, distribuídos por sete pisos acima do solo. Estará concluído no primeiro semestre de 2019. O grupo DST

Dinamismo do imobiliário impulsiona construção e obras públicas no 1.º semestre
O recorde das vendas no mercado imobiliário até junho, que cresceram 18% em número e 25% em valor, impulsionou a construção e obras públicas. O recorde das vendas no