portugues ingles frances espanhol alemao
Apoio ao Cliente
9H-13H e 14H-18H

212 476 500

Faça Login ou
adira ao Portal Líder

Log In | Novo registo
Bem-vindo/a, Visitante
voltar

Produção na construção em Portugal lidera crescimento na Europa

2017-04-30

Em Fevereiro, a produção na construção em Portugal apresentou um forte crescimento à escala europeia, tendo crescido 3% em termos homólogos, segundo o Eurostat.
Segundo o relatório das estatísticas europeias, em fevereiro, a Zona Euro regista uma variação trimestral positiva de 7,1% face ao período homólogo de 2016. Em termos de variação mensal, face a Janeiro, o crescimento é de 6,9%, claramente superior ao verificado noutros indicadores económicos, como a produção industrial que cai 0,3% no mesmo período, ou as vendas a retalho, com um crescimento de 0,7%, demonstrando a actual liderança do investimento em construção no processo de recuperação económica europeu.

Relativamente a Portugal, a produção na construção cresceu 3% em termos homólogos, valor que é claramente positivo, face à evolução recente deste indicador, mas fica abaixo da média europeia, exclusivamente devido ao comportamento do investimento público.

Com efeito, se em fevereiro, a produção do setor no segmento de edifícios se situou nos 5,9%, praticamente em linha com os 6,2% da zona Euro, nas obras públicas (segmento da engenharia civil), a realidade é totalmente oposta. Portugal teve uma quebra de 1,4%, que compara com os 10,3% da zona Euro.
“O setor está a atravessar um momento mais positivo, que se deve a uma dinâmica do investimento privado e, em particular, do mercado imobiliário, mas continua atrás do que se passa na generalidade da Europa em matéria de investimento público, situação que condiciona claramente a capacidade de crescimento económico e de criação de emprego”, assegura Reis Campos, presidente da CPCI – Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário.

O responsável assegura que se encontra hoje estabilizado o quadro geral de investimentos em infraestruturas, bem como os mecanismos europeus que o podem financiar. “Está em causa o Plano Estratégico dos Transportes e das Infraestruturas, que foi objeto de um amplo consenso e, ao nível do financiamento, o Mecanismo Connecting Europe, o Plano Juncker e o Portugal 2020, pelo que importa, agora, maximizar as oportunidades de financiamento existentes”, garante.

O dirigente, concluiu considerando “que os indicadores continuarão a ser positivos, mas é essencial colocar no terreno estes programas para que se possa ganhar uma outra escala, colmatando mais rapidamente o espaço que ainda nos separa da restante Europa, uma vez que é imprescindível aproveitar a conjuntura e garantir a competitividade da nossa economia”.

Fonte: http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/producao-na-construcao-em-portugal-lidera-crescimento-na-europa-149753

Construção dá sinais de alívio
A reabilitação urbana está a puxar pelo setor, que começa a sair da crise. Apesar dos sinais positivos, as associações afastam aumentos de 70 a 100 euros pedidos pelos

Construção em clara recuperação no arranque do ano
O sector da construção sofreu duras quedas nos últimos 11 anos. 2017 parece ser de inversão, com os primeiros quatro meses a serem de crescimento. E é a construção de

Emprego na construção com maior crescimento dos últimos 5 anos
Os trabalhadores da construção aumentaram 5,6%, para 303,7 mil, no primeiro trimestre do ano face ao período homólogo, registando o setor “o melhor trimestre inicial dos

O PAPEL DOS DIRECTÓRIOS ONLINE NA SEGMENTAÇÃO DO MERCADO
Os Directórios Online são regra geral “Portais” que disponibilizam e concentram grande variedade de informações relevantes para os seus utilizadores, agregando notícias,

Urbanismo - Lisboa vai ter nova zona de lazer junto ao rio em Marvila
Em causa está a criação do Parque Ribeirinho Oriente, que visa reconverter a área da Matinha, Braço de Prata e Doca do Poço do Bispo em zonas de lazer. A cidade de Lisboa

Bancos estrangeiros entram no negócio das casas
Promotores imobiliários estão a ser sondados por bancos alemães e holandeses, atraídos pelo boom do mercado e spreads mais altos. Bancos europeus, nomeadamente alemães e